domingo, 22 de junho de 2008

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Um beijo roubado (Wong Kar-Wai, 2007)

O último filme do diretor chinês Wong Kar Wai é "My Blueberry nights" (intitulado "Um beijo Roubado" no Brasil é muito interessante. Estrelado por Jude Law, Natalie Portman, Rachel Weisz e com uma participação inédita de Norah Jones é um filme que conta a história de Jeremy (Law), dono de um restaurante que se apaixona por Elizabeth (Jones), entretanto ela precisa ir embora e o deixa. Então em sua viagem ela conhece algumas figuras que irão mudar sua vida de uma maneira um tanto quanto inesperada. O filme chama a atenção por diversos aspectos.
Primeiramente, uma direção de arte impecável, começando pela concepção do restaurante e indo até os figurinos de cada personagem. Depois, a atuação dos personagens, mesmo não sendo perfeita, é uma atuação um tanto quanto inesperada; os personagens vão nos surpreendendo conforme o desenrolar das ações. A transformação do personagem de Elizabeth é algo que nos comove, nos envolvemos juntamente com o personagem. A figura da torta my blueberry night, vendida no restaurante de Jeremy, é um elemento que trás bastante significado no entender da história.

Enfim...Mesmo sendo de um diretor pouco conhecido, trás uma história e um elenco muito bons que valem a pena ser apreciados...

beijos á todos...

Abaixo, o trailer...








*Renan Lima é editor do Audiovisueiros

quarta-feira, 18 de junho de 2008

Vamos Rodar em Julho e agosto!

Eu queria avisar para nossos visitantes assíduos que vamos filmar agora em Julho e agosto!

O roteiro e direção ficaram por minha conta!
e outra coisa! ou curtas nossos saíram e serão exibídos na Reserva Cultural dia 26-06-08 as 2345h, dez reais de entrada e depois tem uma festa e seus dez reais gastos podem ser usados para consumação!!!

ainda estamos decidindo postar os vídeos na internet, graças a falta de qualidade de imagem e som que os provedores oferecem...

té mais!

*Guilherme Ferrari é colaborador do Audiovisueiros

Basicamente som direto no vídeo e cinema

Este texto eu to escrevendo com a idéia de continuar o primeiro que escrevi. Para ir ao primeiro texto, onde falo mais uma idéia geral do que é som no cinema e vídeo clique aqui.

Vamos para uma próxima etapa. vou falar ainda basicamente sobre som direto.

O som direto depende de algumas coisas: microfones, gravador de som, técnico e microfonista.

Vou tentar explicar de uma forma simplificada, e num próximo texto eu desenvolvo para cada um destes tópicos.

O técnico de som direto é o cara que vai planejar a captação na hora da produção, ou seja, na hora que forem captar as imagens. Então ele tem que ter algumas coisas em mente: o formato da locação, o que deve ser captado em cada plano e sabendo isso que microfones vai usar. para saber sobre microfones melhor vai pra ESSE post.

o microfonista tem que ser muito habilidoso. não adianta se o técnico planejou bem, se o microfonista não souber se posicionar em cena o som fica uma %$(&T@. ele que segura a vara de boom e aponta o microfone para a cena.

existem várias formas de captar o som direto (gravar). uma delas, a mais usada, é possuir um gravador que receba o time code da camera para depois ficar fácil sincronizar a imagem e o som. mas eu, por exemplo, gravo com um notebook e uma placa de som, chamada de Mbox. a minha tem 4 canais de entrada e ela grava para um programa chamado pró tools. eu prefiro assim.

Bem, da próxima vez falo sobre decupagem de som. qualquer dúvida é só mandar um e-mail com o assunto: dúvida para guilhermferrari@gmail.com

até mais!


*Guilherme Ferrari é colaborador do Audiovisueiros

Sobre os microfones

Existem diversos tipos de microfones, mas eles se dividem em dois grupos: os Capacitivos (condensadores) e os dinâmicos. Os Dinamicos consistem em um diafragma acoplado a uma bobina de alumínio imersos num campo magnético. Já os capacitivos são aqueles que possuem uma placa fixada muito próxima ao diafragma. Entre a placa e o diafragma é mantida uma carga elétrica polarizada. A grande diferença entre os dois tipos é que o capacitivo precisa ser “alimentado” e o dinâmico não. Alguns capacitivos usam de uma bateria de 9volts para alimentação, outros usam a entrada USB do computador, mais os mais comuns são alimentados por uma fonte externa que gera 48V contínuos. Esses 48V são chamados de Phantom power.

A diferença de captação dois tipos consiste no espéctro de frequências que cada um é capaz de captar. Cada microfone tem uma capacidade diferente mas em geral os capacitivos tem um espéctro bem mais amplo enquanto os dinâmicos ficam apenas com as frequências médias, medias-altas e altas.

Para entender melhor daqui para frente acho melhor ler aqui primeiro.

No som direto usamos os dois tipos de microfone. Aqueles que chamamos de microfone de lapela é um microfone dinâmico, e é bom que seja assim. Graças ao espectro reduzido dos microfones dinâmicos, eles são, como chamamos, mais “duros”, então eles captam os sons mais próximos com mais eficiência, e sons mais distantes sem nenhuma eficiência. Outra coisa que faz a diferência nos lapelas é a direção que eles captam, então temos que levar isso em consideração ao posicionar o microfone.

Outro microfone usado em som direto é o “Shotgun” que normalmente é o colocado na vara de boom. O lapela costuma a ser usado para captar as vozes dos personagens separadamente e o boom serve para captar diversas coisas, exatamente porque o shotgun é um microfone capacitivo. As vozes humanas giram em torno das frequências captadas pelos microfones dinâmicos e os capacitivos são mais aptos a captar o som ambiente, mas também são usados para captar vozes em diversas situações. Em algumas situações não temos onde esconder o lapela no ator e o shotgun é uma boa opção.

Acho que por enquanto é só!


*Guilherme Ferrai é colaborador do Audiovisueiros

Sobre a direcionalidade dos microfones

Os microfones omnidirecionais são aqueles que captam em todas as direções. São igualmente sensíveis para todas as direções.


















Os cardióides captam os sons vindos pela frente com mais intensidade e nas laterais mas com menos intensidade.








Os hiper cardióides e os super cardióides são semelhantes aos cardióides mas conseguem captar um pouco do som vindo de trás.

















Alguns microfones também captam em um formato que chamamos de “figura oito”. Nesta direcionalidade o microfone capta como um cardióide, mas para os dois lados.

*Guilherme Ferrari é colaborador do Audiovisueiros